O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Wilker Barreto (PHS), acompanhado dos vereadores da base aliada, entre eles, o líder do governo Municipal, Joelson Silva (PSC), recebeu na manhã desta terça-feira (12), o secretário da Casa Civil, deputado federal Arthur Bisneto (PSDB).

No encontro inicial, na sala da Presidência, os dois políticos garantiram alinhar os poderes para desenvolver um trabalho conjunto por Manaus. No plenário, Wilker Barreto ressaltou que a visita demonstra um gesto maduro e fraternal do chefe da Casa Civil em seu primeiro ato como secretário. “A Câmara é um poder independente, mas com um comportamento harmônico”, frisou Barreto, ao observar ainda, que tanto a Câmara e a Casa Civil precisam estar afinadas.

“Temos uma cidade que clama por soluções, por isso precisamos estar juntos para discutir os problemas. Sou defensor dos empréstimos para solucionar os problemas reais da cidade de Manaus. Não podemos esperar a economia reagir para enfrentá-los”, disse o presidente.

Por sua vez, Arthur Bisneto destacou a responsabilidade e a importância que o Poder Legislativo tem em relação às ações do Executivo. “A Câmara é fundamental pela variedade das discussões e programas que dizem respeito à realidade de Manaus, seja uma tônica fora e dentro da Casa”, disse Bisneto, ao se prontificar em atender aos pleitos dos parlamentares, respeitando as adversidades para discussões de assuntos fundamentais da sociedade manauara.

Em relação à sua nomeação para a Casa Civil pelo prefeito Arthur Neto, o secretário esclareceu que a Súmula vinculante 13 não o impede de assumir a secretaria, visto que, existe jurisprudência e por ser um cargo político.

“Seria estranho assumir um cargo na Secretaria de Finanças, por exemplo, que exige formação ligada à Contabilidade e Economia. A Casa Civil é um cargo político, portanto, não há questão de Súmula 13 que prejudique a minha atuação”, justificou Bisneto, ao exemplificar a decisão favorável do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, em relação a um caso semelhante no interior do Rio Grande do Sul. “Por isso, não há problema algum, continuo recebendo pela Câmara Federal. Sou um secretário que não vai receber salário do Município”, completou Bisneto.

Compromisso

O chefe da Casa Civil assegurou que irá acompanhar de perto as questões envolvendo o transporte coletivo como a entrega de ônibus novos com ar-condicionado, aumento e funcionamento dos pontos de abastecimento do passa fácil com o objetivo de acabar de vez com os assaltos dentro dos coletivos, destravar juridicamente o shopping T4, entre outros.

“São questões como essas que movem a nossa vontade política e dos vereadores. Venho nesta visita chancelar a aproximação entre os dois poderes e demonstrar o respeito que tenho pelos vereadores da base e os parlamentares de oposição”, observou o secretário, ao defender uma maior  integração dos trabalhos da secretaria com a Câmara de Manaus.

Durante a visita, Bisneto cumprimentou todos os parlamentares presentes no plenário esclarecendo que seu cargo de chefe da Casa Civil é um cargo estritamente político e oportuno para mostrar sua experiência e trabalho no Executivo e deixar uma marca positiva para a cidade de Manaus com esforço e dedicação.

Na oportunidade, Joelson Silva (PSC) e demais parlamentares reconheceram a capacidade e experiência do deputado Arthur Bisneto frente à secretaria. “Com certeza Bisneto vai fazer com que a nossa cidade seja agraciada com seu trabalho”, disse o líder do governo na CMM.

“A visita do secretário demonstra respeito e compromisso com a cidade de Manaus”, afirmou o vereador Raulzinho (DEM).

Os vereadores Fred Mota (PR), Rosivaldo Cordovil (PODE), Professora Jacqueline (PHS), Rosinaldo Bual (PSB), Dante (PSDB), Glória Carrate (PRP), Professor Samuel (PHS) e Professora Therezinha Ruiz (DEM), também acompanharam o chefe da Casa Civil durante visita à Casa Legislativa.

 

Texto: Valdete Araújo - Dircom/CMM

Foto: Tiago Corrêa - Dircom/CMM


Não serão postados comentários com ofensas a pessoas ou instituições, sejam elas de natureza pública ou privada. Também não serão aceitos textos ofensivos, de caráter comercial, com palavrões e termos chulos ou que façam propaganda de candidatos. Os comentários postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Comentários

Deixe uma resposta

  • (não será publicado)